Raimundo Ribeiro resiste em retornar à SEJUS

Reprodução

Reprodução

Por Fred Lima

O ex-secretário de Justiça do DF e deputado distrital eleito, Raimundo Ribeiro (PSDB), a princípio, não pretende retornar à Secretaria de Justiça, caso o governador eleito Rodrigo Rollemberg (PSB) o convide.

O nome de Raimundo vem sendo cotado nos bastidores para assumir a secretaria. O empecilho é que o deputado distrital eleito considera os projetos que tem a apresentar na Câmara Legislativa como prioridade no momento.

Da Redação

“A segurança do DF está falida”

Reprodução

Reprodução

Por Fred Lima

Ex-secretário de Justiça do DF no governo José Roberto Arruda, o advogado Raimundo Ribeiro (PSDB-DF), de 57 anos, tenta retornar à Câmara Legislativa do Distrito Federal (CLDF), onde foi eleito deputado distrital na eleição de 2006. Em 2007, foi convidado pelo então governador Arruda para assumir a recém-criada Secretaria de Estado de Justiça, Direitos Humanos e Cidadania. Durante sua gestão que durou 18 meses à frente da pasta, Raimundo promoveu várias melhorias. Destaco uma das mais importantes: o seu empenho para a criação da Praça do Cidadão, na estação do metrô da 114 Sul, que reuniu em um mesmo lugar órgãos como Procon, Defensoria Pública, Central de Intérpretes e Libras, Diretoria para Assuntos da Pessoa com Deficiência (DPAD),  Promotoria de Justiça de Defesa do Idoso e da Pessoa com Deficiência (PRODIDE) do Ministério Público do DF e Territórios (MPDFT) e cursos profissionalizantes para deficientes, facilitando a vida das pessoas que mais necessitam de cuidados. Na entrevista exclusiva concedida ao blog, Raimundo Ribeiro criticou duramente o governador Agnelo Queiroz (PT-DF) e falou de suas propostas.

A saúde pública é um dos maiores problemas no Distrito Federal. Uma de suas propostas é a implantação do projeto médico na escola e descentralização do atendimento médico, com a criação da saúde cidadã (atendimento domiciliar). Isso ajudaria a resolver parte dos problemas com o atendimento médico?

Sim, pois descentralizar levando o médico para escola e residência do cidadão evita mortes por infecção hospitalar, além de facilitar a vida do cidadão, que ao invés de ter que passar por esperas intermináveis nos hospitais, recebe o médico na sua casa.

Por que a saúde está tão precária no DF?

Por incompetência e má fé desse Governo que se dedica exclusivamente a manchar a história de Brasília com escândalos diários de corrupção.

Uma pesquisa feita pelo DFTrans no ano passado mostrou que mais de 10 mil pessoas estão insatisfeitas com o transporte público no Distrito Federal. Em 2012 foram mais de 15 mil reclamações. Quais são as suas propostas para esta área?

Diminuir a quantidade de veículos nas horas de pico, com mudanças nos horários de funcionamento das repartições públicas. Além disso, exigir transporte público de excelência, com o aumento das linhas de ônibus para que circulem durante 24 horas, lutar pela extensão do metrô e propor punições severas para governantes incompetentes.

Se eleito, o senhor defende a proposta do Projeto Voz Popular, que prevê a criação de um fórum de debates na Câmara Legislativa, com a participação popular e de entidades representativas de diversos segmentos, para a discussão de temas de interesse público. A falta de diálogo dos políticos com a sociedade foi um dos principais motivos que desencadeou as manifestações de junho do ano passado?

Claro que sim. Por isso vamos resgatar a verdadeira função do Legislativo, que deveria ser o palco das discussões dos problemas do DF, apresentando soluções que representem o consenso da sociedade.

Como ex-secretário de Justiça do DF, de que forma o senhor avalia a segurança pública no governo Agnelo, e quais as suas propostas para o setor na CLDF? 

Nunca foi tão ruim. Índices alarmantes de criminalidade, falta de comando decorrente de um Governador que não se faz respeitar por ser um mentiroso contumaz e falta de credibilidade por veementes indícios de práticas criminosas. O resultado só poderia ser esse: uma segurança falida.

Da Redação