Datafolha, votos válidos: Rollemberg tem 57%; e Frejat, 43%, no DF

Rollemberg e FrejatInstituto entrevistou 1.217 eleitores em todo o DF no dia 15 de outubro.
Margem de erro é de três pontos percentuais, para mais ou para menos.

Pesquisa Datafolha divulgada nesta quinta-feira (16) aponta os seguintes percentuais de votos válidos na disputa de segundo turno para o governo do Distrito Federal:

Rodrigo Rollemberg (PSB) – 57%
Jofran Frejat (PR) – 43%

Para calcular esses votos, são excluídos da amostra os votos brancos, os nulos e os eleitores que se declaram indecisos. O procedimento é o mesmo utilizado pela Justiça Eleitoral para divulgar o resultado oficial da eleição.

Votos totais
Se forem incluídos os votos brancos e nulos e dos eleitores que não sabem ou não opinaram, os votos totais da pesquisa estimulada são:

Rodrigo Rollemberg (PSB) – 46%
Jofran Frejat (PR) – 35%
Branco / Nulo – 10%
Não sabe / não respondeu – 9%

Decisão do voto
O Datafolha perguntou ao eleitor se ele votaria com certeza, talvez votasse ou não votaria de jeito nenhum, nos dois candidatos que disputam o segundo turno da eleição no DF.

O resultado foi o seguinte:

Rollemberg:
Votaria com certeza: 41%
Talvez votasse: 26%
Não votaria de jeito nenhum: 29%
Não sabe: 4%

Frejat:
Votaria com certeza: 34%
Talvez votasse: 22%
Não votaria de jeito nenhum: 41%
Não sabe: 4%

Outra pergunta realizada durante o levantamento foi sobre o momento em que o eleitor decidiu o voto no primeiro turno. A pesquisa levou em consideração o candidato escolhido pelo eleitor. Os resultados foram os seguintes:

Total:
Pelo menos um mês antes: 59%
15 dias antes: 17%
Uma semana antes: 10%
Na véspera: 5%
No próprio dia: 9%

Votou em Rollemberg:
Pelo menos um mês antes: 58%
15 dias antes: 18%
Uma semana antes: 13%
Na véspera: 5%
No próprio dia: 7%

Votou em Frejat:
Pelo menos um mês antes: 55%
15 dias antes: 22%
Uma semana antes: 11%
Na véspera: 5%
No próprio dia: 7%

Votou em Agnelo:
Pelo menos um mês antes: 77%
15 dias antes: 6%
Uma semana antes: 6%
Na véspera: 6%
No próprio dia: 5%

Avaliação de governo
O levantamento também perguntou como o eleitor avalia o governo de Agnelo Queiroz (PT). Para 17%, a gestão é ótima ou boa; 31% acham a administração regular; 51%, a avaliam como ruim ou péssima; 1% não soube responder. Em uma escala de 0 a 10, os entrevistados deram, em média, nota 4 ao governo.

Dados da pesquisa
Realizada no 15 de outubro, O Datafolha entrevistou 1.217 eleitores em todo o Distrito Federal. A margem de erro é de três pontos percentuais, para mais ou para menos.

O nível de confiança é de 95%, o que quer dizer que, se levada em conta a margem de erro de três pontos para mais ou para menos, a probabilidade de o resultado retratar a realidade é de 95%.

A pesquisa está registrada no Tribunal Regional Eleitoral (TRE) sob o protocolo número DF-00083/2014 e no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) sob o protocolo número BR-001098/2014.

Fonte: G1

Frejat e Rollemberg se enfrentam em debate do Correio e da TV Brasília

Reprodução

Reprodução

Os dois candidatos vão discutir temas de interesse do DF e responder a perguntas de jornalistas

O Correio Braziliense e a TV Brasília realizam amanhã debate do segundo turno com os candidatos ao Governo do Distrito Federal. Rodrigo Rollemberg (PSB) e Jofran Frejat (PR) ficarão frente a frente, a partir das 22h30, para discutir temas de interesse do Distrito Federal e ressaltar pontos de seus programas de campanha. O debate terá transmissão ao vivo pela TV Brasília e pelo site http://www.correiobraziliense.com.br. com cobertura completa do Correio. O objetivo é confrontar ideias e ajudar o eleitor a tomar uma decisão nas eleições de 26 de outubro.

O evento terá um tempo total de 1h30, dividido em três blocos. Na primeira e na segunda etapas, jornalistas do Correio e da TV Brasília questionarão os concorrentes sobre temas como ética, administração pública, saúde, transporte, segurança, relação com a Câmara Legislativa e preservação de Brasília, entre outros. Nos mesmos blocos, haverá rodadas de perguntas entre os próprios candidatos. A ordem das questões será sorteada previamente na presença de assessores apontados pelos concorrentes.

Na parte em que os jornalistas farão as perguntas a Rollemberg e Frejat, cada um terá dois minutos para se expressar. O adversário vai contar com 45 segundos para comentar a resposta, com outros 45 segundos de réplica. Já na etapa de perguntas e respostas entre eles, haverá um minuto para a questão, dois minutos para argumentação e 45 segundos para réplica e tréplica, respectivamente.

Fonte: Correio Braziliense

ATENÇÃO ELEITOR DO DF, se isso for verdade é muito grave!!!!

Doações EleitoraisPor Francisco Paula Lima Júnior

Não acredito em acasos, mas ouvi hoje de mais de uma fonte, todas com credibilidade, que um banco privado que teve seu nome envolvido no chamado mensalão do PT, entre outras irregularidades pelo Brasil, estaria injetando muita grana na campanha de Rodrigo Rollemberg para o GDF. Lembrei-me de imediato do relato de um ex-executivo desse banco a mim há cerca de 2 anos de como eles “investem” em candidatos e o que cobram depois de eleitos. É estarrecedor! Apenas para que tenham a ideia do que eles “oferecerem” aos servidores do estado, ou Distrito Federal, em que ajudaram a eleger o governador, o banco trabalha com os famigerados empréstimos consignados, além de um amplo pacote de “generosidades” em forma de “crédito fácil” para o servidor vítima financiar desde eletrodomésticos até a escola de filhos. O mecanismo que eles adotam é o seguinte: feito acordo com o governante eleito e que lhes deve a ajuda financeira, o banco recebe do mesmo o cadastro completo dos servidores. Envia para cada servidor um cartão de débito, que o mesmo poderá ou não desbloquear e fazer uso. Ainda segundo este executivo me relatou, cerca de 86% são desbloqueados. Desses, cerca de 72% fazem uso até o limite, sem falar nos que ficam inadimplentes e precisavam fazer uma rolagem de suas dívidas, o que gera juros sobre juros, uma verdadeira bola de neve. Contava-me isso o ex-funcionário do tal banco, com imenso ar de satisfação de me causar vontade de vomitar.

Além disso, concluiu ele à época, “quando acertamos com o candidato já fazemos um generoso adiantamento para a campanha, para que ele se sinta na obrigação de honrar seu compromisso com nosso banco, depois de eleito”.

Como disse no começo, não acredito em acasos e menos ainda em generosidade de bancos.

Em ringue eletivo dedo de eleitor pode derrotar lutador

Reprodução

Reprodução

Por Kleber Karpov

Na disputa presidencial Marina Silva (Rede/PSB) foi nocauteada com golpes de direita e de esquerda sem o menor pudor. De um lado a lógica da propaganda eleitoral que armou Dilma Rousseff (PT) com 11 minutos e Aécio (PSDB) com quase cinco para juntos desferirem golpes contra Marina.  Do outro, a formação ou manipulação da opinião pública, regadas por desconstruções, sobretudo após a alteração do plano de governo do PSB, atribuído a intervenções de um certo pastor. Marina alega que os golpes foram regrados de mentiras. E pelo jeito a acertaram acima da linha da cintura. Resultado: a candidata do PSB foi à lona após resistir bravante as cacetadas da polarização.

Já no segundo turno, a disputa entre Aécio e Dilma não é diferente. Mas dessa vez, em uma pancadaria mais equilibrada. Aécio sobe ao ringue com as vantagens da torcida organizada de vários partidos apostando em sua vitória; e dos depoimentos dos delatores da Petrobrás cuspindo participações ilícitas do PT na lona, no cantinho reservado à Dilma, o que gerado alguns escorregões.

Mas chama a atenção dois casos fora do circuito do campeonato nacional em que os lutadores aparentemente têm escolhido estratégias aparentemente equivocadas. No estadual do Rio de Janeiro, o candidato a governador, Luiz Fernando Pezão (PMDB), abriu a retaguarda após tentar nocautear o adversário, senador Marcelo Crivella (PRB), ao associá-lo à Igreja Universal do Reino de Deus e ao Bispo Edir Macedo. Considerando que o estado conta com uma população estimada em 40% de evangélicos, isso tem lhe rendido muitas reclamações dos eleitores e torcedores ao juiz. Muitos que já haviam declarado voto, quer dizer, feito as apostas em Pezão recuaram, o que pode render a perda significante de pontos.

Já no campeonato do Distrito Federal a torcida começa a vaiar o lutador, candidato a governador Jofran Frejat (PR), que tenta nocautear Rodrigo Rollemberg (PSB).

Frejat substituiu o ex-candidato, José Roberto Arruda (PR), após levar cartão vermelho dos juízes do Tribunal Regional Eleitoral do DF (TRE-DF) e em seguida do Tribunal Superior de Justiça (STJ), após ser condenado em segunda instância pelo Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios (TJDFT), por ter jogado sujo com a população do Distrito Federal, o que lhe sujou a ficha.

Jofran tinha considerável vantagem no primeiro round pelas pontuações acumuladas por Arruda antes de substitui-lo. Mas no segundo, pulou no ringue mirando na cabeça e aparentemente tem acertado os próprios pés.

Isso porque os golpes desfechados por Frejat tem se limitado quase que tão somente a desqualificar Rollemberg e reafirmar a experiência. Sem mostrar os golpes novos, como as transmissões das lutas pela mídia e pelas redes sociais acontecem em tempo real, o que se vê são os apostadores preconizando Frejat beijando a lona, caso não consiga imobilizar seu adversário.

Com pouco mais de uma semana das eleições, os candidatos à eleição ou reeleição em segundo turno lutam bravamente pelo medalhão de ouro que garantirá reino absoluto pelos próximos quatro anos. Resta saber quem resistirá no ringue até o fim da luta. Façam suas apostas!

Em debate, Rodrigo Rollemberg e Jofran Frejat debatem propostas de governo

Reprodução

Reprodução

Os dois candidatos que disputam o segundo turno da disputa pelo GDF participam no fim da tarde desta segunda-feira (13/10) de um debate em emissora de tevê. No primeiro bloco, Rodrigo Rollemberg (PSB) perguntou a Jofran Frejat (PR) sobre a nomeação dos administradores regionais. O senador garantiu que fará eleições para escolher os chefes das administrações. O candidato do PR criticou a proposta e afirmou que, caso o eleito seja adversário político do governador, isso pode prejudicar as cidades e os moradores.

Frejat questionou Rollemberg sobre suas propostas para melhorar a educação no DF. O senador garantiu que fará a “educação integral de verdade”, com a capacitação de professores. O concorrente do PR lembrou que é dele a proposta de criação da Faculdade de Saúde do DF. Por diversas vezes, ele destacou que o senador ingressou de forma “ilegal” no serviço público. Rollemberg é funcionário do Senado Federal e passou a integrar os quadros do órgão quando ainda não havia concurso para a Casa.

Clima esquentou

No segundo bloco, o clima esquentou. Ambos responderam a perguntas de jornalistas. Na primeira pergunta, Frejat falou sobre os planos para a área da Saúde. “Fui secretário por quatro vezes e peguei o setor muito ruim e transformei em referência nacional.” Já Rollemberg afirmou que o atual modelo está ultrapassado e quer investir no programa Saúde da Família.

Os dois trocaram farpas sobre o envolvimento de aliados em escândalos. Enquanto Rollemberg atacou os parceiros políticos de Frejat – Luiz Estevão, Valdemar Costa Neto e José Roberto Arruda -, o adversário tratou das acusações que pesam contra o suplente do senador. Rollemberg lembrou que Frejat responde a quatro processos por improbidade administrativa do período em que ocupou a Secretaria de Saúde.

Mais acusações

No terceiro bloco do debate, Jofran Frejat continuou atacando o adversário. Criticou o fato de o senador ter apoiado os governos da presidente Dilma e do governador Agnelo Queiroz e, agora, estar do lado de Aécio Neves (PSDB).

Os dois candidatos que disputam o GDF também trataram de outras temas, como a cultura o DF e a relação da capital com o Entorno. Frejat prometeu melhorias na infraestrutura e mais apoio aos artistas locais. Rollemberg, por sua vez, garantiu que vai manter o programa Morar Bem.

Fonte: Correio Braziliense

Não houve vencedor no primeiro debate dos candidatos ao GDF

Reprodução

Reprodução

Por Fred Lima

Jofran Frejat (PR) e Rodrigo Rollemberg (PSB) participaram ontem (09), na TV Band, do primeiro debate do 2° turno para a disputa ao Governo do Distrito Federal (GDF).

O debate foi marcado por questionamentos de Frejat, segundo colocado nas pesquisas, sobre a coerência política de Rollemberg, que apoiou Agnelo e Dilma, mas depois rompeu com o governador petista e com a presidente, apoiando agora Aécio Neves (PSDB) à Presidência da República. Em resposta, o candidato do PSB lembrou a Frejat que está no mesmo partido desde 1980, ao contrário do candidato do PR, que já passou por cinco partidos políticos em sua vida pública.

Na avaliação do blog, não houve vencedor. O debate foi bem equilibrado para ambos os candidatos, sem momentos adversos.

O blog indicou onde cada candidato se saiu melhor por temas:

Saúde– Frejat

Moradia– Frejat

Máquina Pública– Frejat

Segurança– Rollemberg

Transporte– Rollemberg

Educação– Rollemberg

O próximo debate está previsto para acontecer no dia 13 de outubro, entre 18h30 e 19h30, na emissora SBT Brasília, em parceria com o portal UOL e o jornal Folha de São Paulo.

Da Redação

Primeira pesquisa do 2º turno no DF mostra Rollemberg com 61% dos votos válidos

Rollemberg e Frejat. Reprodução

Rollemberg e Frejat. Reprodução

O concorrente Jofran Frejat (PR) tem 38,3% das intenções de votos

Pesquisa do Instituto Veritá, divulgada nesta quinta-feira (9), mostra Rodrigo Rollemberg com maior chance de vencer o segundo turno das eleições para o governo do Distrito Federal. Segundo o levantamento, o candidato do PSB tem 61,7% das intenções de voto enquanto Jofran Frejat (PR) tem 38,3%. Os resultados são da pesquisa estimulada, quando os entrevistadores citam os nomes dos concorrentes. Nesta etapa, são considerados apenas os votos válidos.

Na pesquisa espontânea, sem referência aos nomes dos candidatos, a intenção de votos em Rodrigo Rollemberg (PSB) cai para 54,2% e Jofran Frejat (PR) aparece com 33,7%. Os eleitores que vão anular os votos ou votar em branco somam 5,8% e 6,3% não sabem e não responderamm em quem vão votar. A pesquisa entrevistou 2.203 eleitores entre os dias 6 e 8 de outubro. O levantamento está registrado no TRE-DF sob número 00076/2014.

No primeiro turno das eleições, Rodrigo Rollemberg (PSB) ficou em primeiro lugar, com 45,23% dos votos válidos. Jofran Frejat (PR) em segundo, com 27,97% e o atual governador, Agnelo Queiroz (PT) amargou o terceiro lugar, com 20,07% dos votos, passando a ser o primeiro governador do DF a tentar a reeleição sem chegar ao segundo turno.

Propaganda eleitoral

A exibição da propaganda eleitoral recomeça nesta quinta-feira (9), às 20h30. No rádio, a apresentação das propostas será retomada às 7h desta sexta-feira (10). O tempo total será de 40 minutos para exibição das propagandas de candidatos à Presidência da República e aos governos de 12 estados e do Distrito Federal.

Cada candidato do Distrito Federal terá 10 minutos na TV e no rádio. Diariamente, os candidatos terão tempo na TV às 13h e às 20h30. No rádio às 7h e ao meio-dia. A propaganda eleitoral vai até o dia 24 de outubro, dois dias antes da cotação do segundo turno.

Fonte: R7 Notícias