Quem pisou neste tomate?

images4C2VK5VXE quem pisou no tomate foi…

ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, ao solicitar que a Polícia Federal abra uma investigação para saber quais foram os delegados que falaram mal do PT e elogiaram Aécio Neves nas redes sociais. Imagina se a moda pega até entre os funcionários concursados e terceirizados do Governo Federal? Voltaremos para a ditadura, mas dessa vez com toques de bolivarianismo…

governador do DF, Agnelo Queiroz… ele de novo?! Chega, pois tomate está caro e o chefe do Executivo local anda pisando todos os dias em um…

Walter Mattos, secretário de Saúde do município de Valparaíso de Goiás. Moradores que estão doentes com câncer não recebem os recursos do Tratamento Fora do Domicílio – TFD desde agosto…

prefeita de Valparaíso, Lucimar Nascimento (PT). Ora, se é ela quem nomeia o secretário de Saúde, então a responsabilidade recai sobre seus ombros também…

A desculpa esfarrapada. Ela é sempre usada por alguém que quer se safar, mas por ser ridiculamente mentirosa, não convence nem criança.

Da Redação

Fonte no Planalto revela que a PF já sabe do envolvimento de Lula no Petrolão

Reprodução

Reprodução

Por Fred Lima

Ontem o blog recebeu a informação de uma fonte do Palácio do Planalto, que não quis ser identificada, de que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva está envolvido “até o pescoço” no Petrolão, e que a Polícia Federal já dá como certa a participação de Lula no esquema, aguardando apenas a chegada de provas documentais de contas secretas de petistas vindas de paraísos fiscais na Suíça e na Holanda.

A ordem no Planalto é isolar Dilma da crise, tentando descolar a presidente das falcatruas que ocorreram durante o governo Lula na petrolífera, missão considerada quase impossível, já que Dilma, na época, foi presidente do Conselho de Administração da estatal.

Se for confirmado o que revelou a fonte do Planalto, o sonho de Lula em retornar à Presidência da República foi para o ralo.

Da Redação

Deputado Protógenes Queiroz investiga se Eduardo Campos sofreu atentado

Divulgação

Divulgação

Para o delegado licenciado da Polícia Federal, tragédia em Santos não foi um “acidente normal”

Delegado licenciado da Polícia Federal, nacionalmente conhecido pela prisão do banqueiro Daniel Dantas e deputado federal pelo PCdoB desde 2010, Protógenes Queiroz divide seu tempo entre a campanha de reeleição à Câmara dos Deputados e uma outra missão: investigar a morte do ex-governador de Pernambuco Eduardo Campos, que morreu em um acidente aéreo em Santos, no dia 13 de agosto, quando era o candidato do PSB à Presidência da República.

“Assassinaram Eduardo Campos?!? Me aguardem…”, diz uma frase estampada, desde segunda-feira (15), no perfil do deputado no Facebook. Desde o dia do acidente, o delegado investiga, por conta própria, algumas pistas “estranhas” que afirma ter encontrado no local da tragédia. Para Protógenes, não foi um “acidente normal”.

— A partir dos vestígios que encontrei, é um ponto de partida para poder iniciar uma investigação com viés de atentado, e não com viés de acidente natural.

O deputado e delegado licenciado esteve no local do acidente cerca de oito horas após a tragédia, no início da noite de 13 de agosto. Ele já estava em Santos naquele dia, onde iria inclusive se encontrar com Campos, “por respeito” e “pela forma carinhosa com que ele me tratava”, embora não estivessem “no mesmo campo político”.

Protógenes levanta dúvidas sobre o trabalho do Cenipa (Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos), órgão da Aeronáutica responsável pelas investigações, entre “fatos e fotos” que promete apresentar, mas somente após as eleições.

— O serviço de busca com relação ao que aconteceu com a aeronave ficou a cargo do Cenipa, que já tinha feito um primeiro trabalho, que seria recorrer à caixa-preta, uma turbina, segundo me falaram, mas deixou para trás um rastro ali de várias peças e fuselagem que estavam no local. Estava escuro, chegou iluminação de uma empresa terceirizada, não sei quem era, não sabiam informar, mas era terceirizada.

O deputado afirma que, ao investigar o local, “eu vi detalhes que me chamaram atenção e que eu não gostei”, principalmente com relação aos destroços da aeronave.

“Onde é que está o trem de pouso?”, pergunta o deputado, citando uma peça da aeronave que ele encontrou e fotografou no local da tragédia. O delegado confrontou as imagens que realizou com as imagens que a Aeronáutica fez no local.

“[Analisando] a imagem que encontrei das peças recolhidas, que estão na Base Aérea [do Guarujá], não vi aquele trem de pouso que fotografei, além de [não ter encontrado] algumas partes da fuselagem”, afirma o delegado, completando que ainda não esteve pessoalmente no pátio da Aeronáutica.

“A questão da caixa-preta [que não registrou os dados do voo fatal] é uma outra interrogação”, diz o delegado.

— O simples exame de que não tem nada gravado e ficará por isso mesmo tem que ser aprofundado.

Protógenes afirma que se envolveu nessa investigação pelo respeito que tinha por Campos, mas, sobretudo, por esses elementos encontrados no local.

O deputado está elaborando um relatório que será apresentado à Procuradoria Regional da República (órgão ligado ao Ministério Público Federal) e também à Comissão de Segurança Pública e Combate ao Crime Organizado da Câmara dos Deputados. No entanto, isso deve ocorrer somente após as eleições.

O R7 procurou o advogado Antônio Campos, irmão do ex-governador, mas não obteve contato até a publicação desta reportagem.

Na segunda-feira, Antônio publicou uma nota em seu blog informando que solicitou ao Ministério Público Federal de Santos e à 5ª Vara Federal de Santos, o convite para que Protógenes preste esclarecimentos sobre as provas encontradas e “traga aos autos os citados indícios e depoimentos que alega ter de que o acidente com Eduardo Campos teria sido atentado”.

O MPF informou ao R7 que recebeu o pedido, que ainda será analisado.

Fonte: Portal R7

Da Redação