Itaipu: Vaccari é o coração do esquema

Reprodução

Reprodução

Por Fred Lima

Enquanto a mídia foca suas atenções nas investigações do Petrolão, o blog, com exclusividade – quando ninguém falava de Itaipu –, no dia 25/9, recebeu uma bomba vinda de dentro da usina hidrelétrica que o próximo escândalo a estourar no governo Dilma seria lá. De acordo com a fonte, a operação do tesoureiro do PT e membro do Conselho de Administração da Itaipu João Vaccari Neto é o mesmo que ocorre na Petrobras: Vaccari é o operador do Caixa 2 do partido, bem como o responsável por repassar para a base parlamentar de apoio no Congresso Nacional os recursos desviados da usina.

A corrupção em Itaipu é antiga e sistemática, segundo a fonte. Começou com a ida da senadora e ex-chefe da Casa Civil Gleisi Hoffmann (PT-PR) para a diretoria executiva da hidrelétrica, em 2003, justamente ela, que foi acusada pelo doleiro Alberto Yousseff de ter recebido R$ 1 milhão para sua campanha ao Senado em 2010 com dinheiro do Petrolão. Com a saída de Gleisi da Itaipu, Vaccari se tornou o coração do esquema.

O blog ainda alertou, no dia 02/10, sobre o suposto uso de influência política de um diretor de Itaipu, ao fazer campanha para Dilma, usando endereço de e-mail do comitê petista, mas falando como se estivesse exercendo o cargo, encaminhando mensagem para uma lista de e-mails institucionais, incluindo prefeituras. Parece que o aparelhamento partidário tomou de conta da usina.

Alguém já se perguntou o porquê do tesoureiro do PT ter sido colocado no Conselho de Administração de Itaipu? Seria ele um especialista em geração de energia elétrica ou um gênio da administração? Não. Parece que Vaccari é gênio em outra coisa…

A usina de Itaipu era considerada a maior hidrelétrica em geração de energia do mundo. Só perdeu o posto de maior este ano por causa dos efeitos da seca. O valor de mercado da usina é avaliado em torno de USD 60 bilhões.

Como podem ver, Itaipu é uma mina de ouro…

Da Redação.

Como todos os delatados, Gleisi e Bernardo negam relação com Youssef

A senadora nega conhecer Youssef.

A senadora nega conhecer Youssef.

A SENADORA INFORMOU AINDA QUE AVALIA “COM SEUS ADVOGADOS, QUAIS PROVIDÊNCIAS LEGAIS ASSUMIRÁ EM RELAÇÃO AO CASO”.

A senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR) informou, via assessoria de imprensa, que “não conhece Alberto Youssef”. “Desconheço completamente os fatos”, informou Gleisi. “Todas as doações constam na prestação de contas aprovada pela Justiça Eleitoral.” A senadora informou ainda que avalia “com seus advogados, quais providências legais assumirá em relação ao caso”.

O ministro das Comunicações, Paulo Bernardo, informou que “não pediu nem recebeu qualquer importância” e que nunca falou com o doleiro Alberto Youssef. “Reafirmo o que já lhe disse: desconheço esse assunto. Nunca falei com o senhor Youssef, por qualquer meio.”

Negar que conhece quem os delata tem sido comum entre os políticos acusados de se beneficiarem do esquema de corrupção da Petrobras, conhecido por Petrolão. Segundo Youssef, uma pessoa da confiança dele entregou o dinheiro, em um shopping de Curitiba,  a uma pessoa da confiança do casal.

Bernardo confirmou conhecer o dono do shopping citado pelo doleiro, mas nega qualquer irregularidade. O proprietário do shopping, localizado em Curitiba, foi procurado, mas não respondeu aos questionamentos.

Fonte: Diário do Poder

Itaipu: Diretor usa e-mail do comitê petista para enviar mensagem às prefeituras pedindo voto em Dilma e falando como se estivesse exercendo o cargo

Nelton Miguel Friedrich, diretor de Coordenação e Meio Ambiente da Itaipu. Reprodução

Nelton Miguel Friedrich, diretor de Coordenação e Meio Ambiente da Itaipu. Reprodução

Por Fred Lima

Nelton Miguel Friedrich é diretor de Coordenação e Meio Ambiente da usina Itaipu Binacional, que é considerada a maior hidrelétrica do mundo. Nelton encaminhou, através do e-mail “campanha13@outlook.com”, uma mensagem pedindo voto em Dilma Rousseff, Gleisi Hoffmann e Gomyde. Gleisi é senadora e candidata ao governo do estado do Paraná. Gomyde é candidato ao senado pelo mesmo estado. Existe algo de errado aí? Não. Todo cidadão brasileiro é livre para votar e fazer campanha política para quem quiser. No entanto, o teor do e-mail é como se Nelton estivesse falando como Diretor da Itaipu, não apenas como militante partidário. Ele cita as conquistas da Itaipu desde 2003, bem como, faz questão de dizer que ele, Jorge Miguel Samek (presidente da Itaipu) e Gleisi receberam a missão do então presidente Lula para fazer a empresa avançar. “SAMEK, Gleisi, posso me incluir junto com tantos outros, fomos empossados na Itaipu Binacional com a missão dada pelo Lula: “façam diferente, construam uma EMPRESA-CiDADÃ, sejam instrumentos de justiça social e façam inclusão social e produtiva, envolvam-se na região como partícipes do Desenvolvimento Regional Sustentável. Sejam de integração latino-americana. Compreendam que viemos para mudar.” E assim foi feito. Na sequência, Dilma manteve SAMEK e equipe na Direção da Itaipu para prosseguir o rumo das mudanças, das transformações, de amplas parcerias regionais, para continuar fazendo e inovando.”

A mensagem foi encaminhada para uma lista de e-mails onde constam prefeituras e secretarias municipais, ou seja, para e-mails institucionais.

Será que Friedrich não estava usando de seu prestígio e cargo para promover campanha política falando como diretor da Itaipu? Isso não caracteriza tráfico de influência?

A Redação já tinha obtido anteriormente informação de que o próximo escândalo a estourar no governo Dilma seria na Itaipu. Parece que as coisas por lá andam bem politizadas.

Da Redação

Corrupção na Usina de Itaipu pode ser o próximo escândalo a estourar no governo Dilma

Reprodução

Reprodução

Por Fred Lima

A Redação obteve informações confidenciais de que a Usina de Itaipu Binacional, considerada a maior usina hidrelétrica do mundo em geração de energia, seria a próxima bomba a explodir no governo Dilma.

O motivo seria o suposto uso político da hidrelétrica para arrecadar verbas para o caixa 2 do PT, que teria começado em 2003 com a chegada da senadora e ex-chefe da Casa Civil Gleisi Hoffmann (PT-PR) à diretoria da empresa.

O relatório Global Corruption Report 2008 (Relatório Global sobre Corrupção 2008), da ONG Transparência Internacional, já alertava que o contrato da Itaipu abria as portas para a corrupção.

Da Redação