Sobre corruptos, corruptores e corrompidos. O Grande Inquisidor no Brasil

Por Luiz Reis

Num mundo corrupto, qual o lugar do Brasil neste mapa? E nesse lugar como pensar historicamente a prática da corrupção em nosso país? Importa então uma volta radical para pesar o fenômeno da corrupção e uma olhada perspectiva para enxergar qual o nosso lugar nessa história. Pretendo analisar então o papel da mídia e o papel das redes sociais em relação aos mais recentes acontecimentos.

Continuar lendo

A política e o jeitinho brasileiro

images (1)Por Fred Lima

Mais de uma semana após as eleições, muitos cidadãos ainda estão perguntando: Por que o brasileiro continua elegendo políticos suspeitos de corrupção? Não é uma pergunta tão difícil de responder. Sobre essa tolerância da sociedade com a corrupção, o sociólogo Alberto Carlos Almeida, em sua obra A Cabeça do Brasileiro, cita uma pesquisa da PESB – Pesquisa Social Brasileira com relação ao “jeitinho brasileiro”: 

A questão fundamental é simples: seria o jeitinho a ante-sala da corrupção? Pode-se afirmar que quanto maior é a sua aceitação, maior também é a tolerância social à corrupção? Os resultados da PESB parecem indicar que a resposta a ambas as perguntas é sim. Ao contrário da moralidade norte-americana, a brasileira admite a existência de um meio-termo entre o certo e errado. Quanto maior for a utilização e aceitação desse meio-termo, maiores serão as chances de que haja uma grande tolerância em relação à corrupção. (ALMEIDA, 2007. p. 48).

            Qual seria então a causa de aceitação do meio-termo no Brasil com relação à corrupção? Acredito ser os benefícios pessoais, além do carisma que certos políticos usufruem para continuar enganando as massas. O pensamento do senso comum é: se distribuir benefícios e tratar o povo com simpatia, pode roubar à vontade! 

            Após o resultado da eleição presidencial, muitas pessoas inconformadas tentaram transferir a culpa para o Nordeste devido à reeleição da presidenta Dilma, já que a região vota em peso no PT desde a eleição de 2002. Engana-se quem pensa que foi o Nordeste que reelegeu Dilma. Claro que a região foi fundamental para a vitória da petista, mas não foi somente lá que ela recebeu muitos votos. No Sudeste, especialmente no Rio de Janeiro e em Minas Gerais, a candidata-presidente recebeu mais votos do que Aécio Neves. 

            Então o que levou Dilma a ser reeleita? Uma série de fatores, incluindo a competência de seu marqueteiro, João Santana, além da aceitação do meio-termo por parte dos eleitores da presidenta, já que foi em seu governo que estourou o maior escândalo de corrupção da História do Brasil, o Petrolão, que fez a Petrobras ser transformada em um balcão de negócios pelo PT em favor dos partidos aliados que apoiam o Planalto no Congresso Nacional. 

            O jeitinho brasileiro está presente em todas as classes sociais. Como os xenofóbicos anti-nordestinos conseguem explicar o porquê de Paulo Maluf (PP-SP) ter sido o deputado mais votado do país na eleição de 2010, um político procurado pela Interpol e acusado por uma série de escândalos de corrupção? Ora, São Paulo não é o estado mais rico da federação?

            A tese “rouba, mas faz” é aceita tanto por ricos quanto por pobres, e pode estar enraizada tanto na sociedade que tem só o ensino fundamental quanto na que tem doutorado. 

            A maioria da população ainda segue à risca o meio-termo entre o certo e o errado. Enquanto o jeitinho brasileiro ou a ignorância imperar no coletivo teremos políticos corruptos ou coniventes com a corrupção exercendo os maiores cargos públicos deste país. 

Da Redação

Opinião: O Brasil é um país em que a realidade se confunde com a narrativa de uma piada.

Reprodução

Reprodução

Por Sérgio Sant’ana

Manchete de hoje: “Ao lado de Collor, Dilma promete combate ‘sem trégua’ à corrupção”.

Isso efetivamente não agride a inteligência daqueles que afirmam que votarão em Dilma? Não me refiro aos petistas propriamente ditos, é óbvio, pois aí estaria apelando ao impossível, mas àqueles eleitores não militantes, que por razões diversas ainda acreditam no partido.

Fico imaginando qual situação hipotética se aproximaria mais da anedota real ou real anedota acima:

(i) Ao lado de Zeca Pagodinho, Adriano Imperador promete combate “sem trégua” ao consumo exagerado de álcool;

(ii) Ao lado de Hitler, Stalin promete combate “sem trégua” aos ataques aos direitos humanos;

(iii) Ao lado de Fernadinho Beira Mar, Marcola promete combate “sem trégua” ao tráfico de drogas;

(iv) Ao lado de Cheech & Chong, Marcelo D2 promete combate “sem trégua” ao consumo de maconha; e

(v) Ao lado de Cicciolina, Bruna Surfistinha promete combate “sem trégua” às ofensas aos valores morais.

Seria cômico, se não fosse trágico!

Corrupção na Usina de Itaipu pode ser o próximo escândalo a estourar no governo Dilma

Reprodução

Reprodução

Por Fred Lima

A Redação obteve informações confidenciais de que a Usina de Itaipu Binacional, considerada a maior usina hidrelétrica do mundo em geração de energia, seria a próxima bomba a explodir no governo Dilma.

O motivo seria o suposto uso político da hidrelétrica para arrecadar verbas para o caixa 2 do PT, que teria começado em 2003 com a chegada da senadora e ex-chefe da Casa Civil Gleisi Hoffmann (PT-PR) à diretoria da empresa.

O relatório Global Corruption Report 2008 (Relatório Global sobre Corrupção 2008), da ONG Transparência Internacional, já alertava que o contrato da Itaipu abria as portas para a corrupção.

Da Redação